O Dr.º António Lacerda Sales

Posted on Thu Apr 23 2020 17:19:31 GMT+0000 (Coordinated Universal Time)


A altura própria.

O Dr.º António Lacerda Sales, Secretário de Estado da Saúde, referiu ontem em declarações ao jornal Expresso, que não afasta a possibilidade de um reforço da remuneração ou da atribuição de um subsídio de risco a quem está nos hospitais, mas não para agora, num momento em que “tantos portugueses passam dificuldades”, que "É uma questão que deve ser ponderada a médio prazo".

Referiu também ao jornal News in Town:"que é hora de “reiterar os agradecimentos a quem está na linha da frente”

Pois bem, Dr.º. António Lacerda Sales, infelizmente, nós tivemos que ficar longe da família a curto prazo, tivemos que dormir sozinhos a curto prazo, tivemos que sentir o medo a correr-nos no sangue, por nos infectarmos e infectarmos outros, incluindo a nossa família, a curto prazo.

Tivemos que suportar turnos intermináveis de 12h.30, nos equipamentos de proteção individual, que nós tivemos que construir improvisadamente, que nos fazem desidratar tal é a temperatura que o nosso corpo atinge com todas aquelas camadas de equipamento, esta adaptação também foi a curto prazo.

As lesões na cara, das mascaras e viseiras também foram a curto prazo mas pede-nos que aceitemos o seu provável médio prazo, usando e aproveitando-se de forma lamentável, os portugueses que efectivamente passam dificuldades, mas não devido à pandemia mas sim, à maior carga fiscal da europa imposta pela fenómeno da Economia do momento, Mário Centeno, para legitimar uma não recompensa dos profissionais de saúde que tudo fazem para salvar o povo Português. Lamentável este aproveitamento, Exmo. António Lacerda Sales.

Medidas que teriam impacto orçamental insignificante, pois os enfermeiros merecem um vencimento base hora de 9.26 euros líquidos, para uma retenção de IRS de 13%.
São empurrados para um futuro incerto, em que poucos se lembram do esforço e sacrifício desumano que todos os profissionais de saúde fizeram, todo o impacto negativo que teve nas suas vidas pessoais, para amparar um povo, atingido de rompante por um vírus ingrato.

Num pais sobejamente conhecido por estar na cauda da europa em questão de enfermeiros por cada mil habitantes, apoido por um estudo apresentado em 2017, em conjunto com a Comissão Europeia, tendo por base a comparação de indicadores de 28 Estados-membros, a OCDE especificava que havia então em Portugal 6,3 enfermeiros por cada mil habitantes, bem inferior à média europeia (8,4) e destacava a urgência de contratar mais profissionais.

No caso dos enfermeiros, Portugal continua na cauda da Europa. Apesar de ter 6,3 enfermeiros por mil habitantes, está muito abaixo da média de 9 dos países da OCDE. Quanto ao rácio no SNS, em 2016 o país tinha 4,2 enfermeiros por mil habitantes e em 2017 passou para 4,1, segundo dados da Ordem.

Vêm constantemente anuciar a contratação de milhares de enfermeiros, em valores orfãos do número de enfermeiros que abandona o SNS ou passa à reforma. Puro populismo e demagogia.

Perante a greve cirúrgica de 2019, António Costa refere em declarações à TVI24, a 11/03/2019 "É como em tudo, nós não podemos gastar tudo nas férias ou tudo noutra atividade, temos que distribuir os recursos que temos para satisfazer as necessidades que são quase ilimitadas no Serviço Nacional de Saúde, e é isso que temos estado a fazer, a procurar responder de uma forma equilibrada a todas”, salientou, acrescentando que esse equilíbrio “tem provado ter resultados”.

O Dr. António Costa referiu-se a responder de forma equilibrada às necessidades do SNS mas nós questionamos, onde está o equilíbrio quando os enfermeiros são sempre relegados para último plano? Há sim um grande desiquilibrio em que o grupo profissional que é o maior pilar do SNS, é constantemente desconsiderado, mal tratado, abusado, ameaçado, coagido e humilhado pelos sucessivos governos. Não mais toleraremos ser relegados para último plano, vendo desperdício de milhões, sendo que quando falamos em qualquer melhoria de condição remuneratoria ou de trabalho, atiram-nos com migalhas e sempre com a mesma desculpa de que agora não é a hora. Agora É a hora.

Mais uma vez em 2019, não era a altura. No governo do Dr. Pedro Passos Coelho, também não era a altura devido ao resgate financeiro, no tempo do Eng. José Sócrates também não era a altura certa, devido à crise financeira mundial.

No entanto...

Durante este tempo, os enfermeiros assistiram a :

Capitalização da banca: Desde 2007, o Estado português já ajudou os bancos com 23,8 mil milhões de euros, segundo o Banco de Portugal.

(https://eco.sapo.pt/…/banco-a-banco-como-o-estado-injetou-…/)

- Projeto de "comboio TGV" que não chegou a avançar: mais de 200 milhões pagos em indemnizações aos bancos envolvidos no projeto. Ao que acrescem cerca de 153 milhões de euros em encargos anteriormente assumidos pelo Estado, perfazendo um valor global de cerca de 353 milhões de euros até ao presente.

(https://poligrafo.sapo.pt/…/estado-pagou-mais-de-200-milhoe…)

- 2019:Governo investiu 388 milhões de euros ao abrigo do Fundo Ambiental em 2019
A execução do Fundo Ambiental atingiu os 388 milhões de euros no último ano, um valor que corresponde a um aumento de 57% face a 2018, foi esta sexta-feira anunciado pelo gabinete do Ministro do Ambiente e Ação Climática.

(https://jornaleconomico.sapo.pt/…/governo-investiu-388-milh…)

- 2020: Numa época de crise que também afeta a comunicação social, o Governo vai comprar antecipadamente 15 milhões de euros em publicidade institucional.

(https://sicnoticias.pt/…/2020-04-17-Governo-investe-15-milh…)

- 2018: Parlamento gasta 83.milhões de euros em 2019 e dá 25,3 milhões aos partidos. A maior fatia dos custos é a despesa com pessoal. Serão, em 2019, muito perto de 51 milhões de euros (50.899.573,8 euros), o representa uma fatia de 67,9% da estrutura total de gastos

(https://www.publico.pt/…/parlamento-gasta-83-milhoes-euros-…)

2019: "O Estado e a Câmara de Lisboa investiram mais de 20 milhões de euros para apoio à realização do evento e esperam um retorno de “centenas de milhões”, mas, para já, não há informações concretas que indiquem quais os reais benefícios da Web Summit para Portugal."

"https://zap.aeiou.pt/web-summit-milhoes-expectativas-290625"

Pois, caro Dr.º António Lacerda Sales, nós discordamos totalmente consigo, achamos que é a altura certa, achamos que é JÁ o momento, pois nós estamos a sofrer a curto prazo, não aceitamos o seu incerto médio prazo.

Vendo todo este dinheiro investido, grande parte dele dinheiro dos impostos que cada enfermeiro paga, EXIGIMOS compensação financeira DIGNA, A CURTÍSSIMO prazo.

Não mais aceitaremos que para os enfermeiros não é a altura ideal.
Enquanto Portugal necessitar de nós, durante esta pandemia estaremos cá mas depois iremos discutir a consecutiva exploração dos Enfermeiros.

Nuno Cova - Conselho Fiscal SITEU.