A (DES)REGULARIZAÇÃO DOS CONTRATOS PRECÁRIOS

Posted on Mon Mar 29 2021 15:58:29 GMT+0000 (Coordinated Universal Time)


O Sindicato Independente de Todos os Enfermeiros Unidos do Continente e Ilhas, mostra indignação e preocupação relativamente à posição deste Governo, por não mostrar abertura e visão para autorizar as entidades que compõem o SNS em oferecer vinculos por tempo indeterminado a profissionais que já eram tão necessarios previamente à pandemia actual.

É com um grande sentimento de desprezo, abandono que os Enfermeiros tendo abraçado esta causa que concerne a toda a população, são agora totalmente descartados, para talvez, daqui a umas semanas ou meses, sejam novamente chamados a servir a causa de todos nós... Novamente herois, como tantas vezes aclamados e propalado pela comunicação social, pelos Portugueses; para pouco tempo depois voltarem à insignificância do descartável... São APENAS cerca de 1800 profissionais, que não se encontrando em excesso, são um bem precioso e necessário.

Conforme descrito e muito bem documentado; não é de agora que há carência de profissionais de Enfermagem, assim revelam as recomendações da OCDE, nas quais se demonstra que relativamente aos Enfermeiros, continuamos na cauda e dado a tendência da corrente economicista relativamente a estes profissionais nas últimas duas décadas tende a agravar.

Fonte (2019 dados mais recentes) : https://www.oecd.org/health/health-systems/health-at-a-glance-19991312.htm

 

Como podemos interpretar, 6,7 enfermeiros por cada 1000 habitantes,  bem abaixo dos recomendados 8,8. A titulo de contraposição, a classe médica, cifra-se bem acima da recomendação. É certo e sabido que os profissionais de Enfermagem são percurtores dedicados da saúde, acrescentam com provas dadas ganhos em saúde, não apenas no tratamento, no cuidar, mas na prevenção também.

Urge dotar o SNS, um dos pilares da nossa sociedade contemporânea, com os recursos humanos necessários para a sua boa manutenção; neste caso em concreto de Enfermeiros.